Fasquia alta na estreia de exames do 4º ano

Alunos tinham de estar bem concentrados, disse a Associação de Professores de Português.

 

O exame de Português do 4º ano - ontem realizado por 104 825 alunos, segundo números fornecidos pelo Ministério da Educação - exigiu concentração máxima dos alunos, em especial o primeiro texto da prova, uma notícia sobre uma expedição às Berlengas, com termos científicos.

 

"Para descobrir as respostas os alunos tinham de olhar com olhos de ver e estar bem concentrados", defendeu Edviges Ferreira, presidente da Associação de Professores de Português, frisando que "a concentração exigida era a adequada à idade dos alunos".

 

Jorge Ascenção, presidente da Confederação Nacional de Associações de Pais (Confap), considerou que o texto e uma pergunta de desenvolvimento relacionada tinha "alguma complexidade para alunos do 4º ano" e, por isso, receia que haja "alguns problemas nos resultados".

 

A prova incluía ainda o conto ‘A Sereiazinha', de Hans Christian Anderson, que a APP considerou adequado. Edviges Ferreira destacou ainda que a prova está "bem estruturada e não tem questões dúbias". Manuel Pereira, da Associação Nacional de Dirigentes Escolares, lembrou o excessivo número de quilómetros feito por muitos alunos e os muitos que ficaram sem aulas. Na próxima sexta-feira, realiza-se a prova de Matemática do 4º ano.

 

C.M.