Sem procurar polémica: mas é desnecessário. A história não se devia repetir.

 

 

De: António Meireles <asmeireles@gmail.com>
Data: 28 de junho de 2013 19:06
Assunto: Fwd: Entrevista ao Presidente da Junta de Caíde de Rei e outros documentos
Para: Sérgio Afonso <tvs@sapo.pt>

Ex. mo Sr. Diretor,

 

Após a leitura da última edição do nosso jornal TVS cumpre solicitar os seguintes esclarecimentos:

 

  1. O questionário recebido por mim não corresponde ao que foi publicado.
  2. As respostas dadas por mim foram alteradas sem o meu consentimento.
  3. A entrevista não foi publicada na íntegra.

Quais os motivos?

Solicito a republicação da entrevista na sua totalidade, com as questões que me foram colocadas, com o respetivo destaque  merecido.

 

Aguardo resposta a esta minha exposição,

 

Respeitosamente,

 

António Meireles

(Presidente da Junta de Freguesia de Caíde de Rei

 

---------- Mensagem encaminhada ----------
De: António Meireles <asmeireles@gmail.com>
Data: 24 de junho de 2013 00:11
Assunto: Entrevista ao Presidente da Junta de Caíde de Rei e outros documentos
Para: Miguel Angelo Pinto de Sousa <miguelpsousa2@hotmail.com>

Ex. mo Sr.

Miguel Ângelo

Tal como combinado envio a resposta ao pequeno questionário/entrevista.

Qualquer dúvida? É só comunicar.

Com os melhores cumprimentos,

António Meireles

 

Entrevista presidente da Junta de Freguesia de Caíde de Rei, António Meireles

“Caíde de Rei – Terra com Identidade”

1 – Qual a obra mais emblemática realizada pelo seu executivo?

No dia 8 de Janeiro de 2007, no meu discurso de inauguração da Unidade de Saúde de Caíde de Rei declarei que: “Caíde de Rei está em festa. Trata-se de um marco histórico para a nossa povoação como para as povoações vizinhas que se deslocam até nós para receber os cuidados primários de saúde. Congratulo-me com esta decisão de assinalarmos a abertura solene desta importante obra. Ela vem reforçar a nossa localização estratégica na região, na Comunidade Urbana do Vale do Sousa, no distrito, no nosso Portugal, na Europa e no mundo. Hoje, vemos reforçada a expressão que temos utilizado “ Caíde de Rei, Coração do Vale do Sousa. Bate forte o nosso coração. As artérias respiram saúde, irradiando alegria e bem-estar. Daqui se rasgam os horizontes para outras paragens através dos caminhos-de-ferro, dos caminhos da vida. Esta é a terra que vos acolhe e vos ama sem fronteiras.”

2 – Defende a necessidade da freguesia dispor de um Centro Escolar?

A Freguesia de Caíde de Rei é o Centro de um vasto Território Educativo que nos orgulha. O Agrupamento de Escolas Lousada Este é uma referência na região. Em termos pedagógicos, administrativos e de direção, Caíde de Rei assume uma responsabilidade maior em matéria de política educativa local. As Freguesias que se encontram agrupadas partilham a sua identidade, cultura, colaborando na tomada de decisões nos domínios da organização pedagógica, curricular, gestão dos recursos humanos, da ação social escolar e da gestão estratégica, patrimonial, administrativa e financeira, no quadro das funções, competências e recursos que lhe estão atribuídos. Por isso defendo que o Município de Lousada deve cumprir com a Carta Educativa aprovada, com responsabilidade.

3 – Para quando está prevista a conclusão do Centro Social e Paroquial de Caíde de Rei, edifício que irá integrar várias valências sociais, nomeadamente para Centro de Dia, apoio ao domicílio e ATL para crianças?

No comments!!!  Estou colaborante e disponível para contribuir para a sua conclusão.

4 – No que toca à Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Caíde de Rei, que análise faz do trabalho que tem sido desenvolvido por esta entidade?

Tratando-se de uma instituição de apoio à População, desempenha sempre um papel importante no dia-a-dia da população.

Somos uma freguesia que se habituou a ter um serviço de proximidade entre o Serviço Nacional de Saúde e os seus utentes, que qualquer freguesia do concelho de Lousada gostaria de possuir. Fundada a 20 de Julho de 1990, tem uma evolução que considero positiva, desde a construção das instalações até à compra de viaturas modernas para proporcionar aos utentes as melhores condições de transporte.

 

5 – Já foram colmatadas as debilidades que existiam no Caíde de Rei Sport Club no que toca às obras no rés-do-chão da sede social e à cobertura no acesso aos balneários?

Aproveito a sua questão para recordar um acontecimento muito recente: Atribuição das Chaves de S. Pedro 2013 - Mérito Desportivo ao Caíde de Rei Sport Club – pelo seu contributo no engrandecimento de Caíde de Rei, ao nível da valorização das suas gentes no plano desportivo. Distinguindo-se no fomento de melhor qualidade de vida da Freguesia e na promoção de Caíde de Rei além-fronteiras. É com grande louvor que enalteço todos os que passaram pelas diversas direções do club. Na época desportiva que terminou (2012-2013), o Caíde de Rei voltou novamente à 1ª Divisão Distrital. Segundo a Bancada lousadense wordpress: “O Caíde é uma equipa que sofre poucos golos… A preocupação com a defesa foi uma aposta ganha, onde a colaboração defensiva foi um predicado fundamental para o sucesso.” Subscrevo o pensamento e a colaboração defensiva, predicado fundamental para o sucesso de qualquer organização. Relativamente às obras? Estas são da responsabilidade das direções passadas, da presente e das futuras com quem a Freguesia sempre colabora.

6 – Considera fundamental retomar as obras no Complexo Funerário?

O Complexo Cemiterial - “Jardim da Memória” é uma obra digna de referência na nossa Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa (12 municípios do Vale do Tâmega e do Sousa). A memória está viva em cada um de nós e os acontecimentos narram os passos firmes que têm sido dados. O dia 20 de Dezembro de 2008 selou o compromisso entre o Município de Lousada e a Freguesia de Caíde de Rei e que se encontra gravado na grande pedra lá exposta. O dia 8 de Junho de 2013 assinalou novo compromisso entre as duas entidades, perante uma bênção solene e lançamento da 1ª pedra para a Construção da Casa Mortuária com o firme propósito de construir e construir bem. Disse: “As questões e as dúvidas são pequenas perante o grande desejo que vive dentro de nós. E qual é?: Projetar e Construir”. No dia 17 de maio de 2011, o Sr. Vice-presidente, enviou-nos um email referindo disponibilidade para “colaborar na escavação e remoção de terras, na construção dos muros e colocação de rede de metro, desde que esta fosse a última ajuda da Câmara Municipal de Lousada”. Confesso que não gostei da comunicação, pois um autarca deve estar sempre receptivo a novas iniciativas e propostas. Mas compreendi o esforço feito. Caíde de Rei agradeceu e reconheceu o apoio. Na cerimónia de 8 de Junho de 2013, aos Vereadores na oposição, Dr. Leonel Vieira e Dr. Agostinho Gaspar, agradeci as sugestões e a mediação junto da Autarquia: “fostes vós que apontaste o melhor caminho: Construir por fases. O papel mediador de ambos foi central em todo este processo. Espero que não abrandem no modo e forma de atuar. Caíde agradece a vossa atitude e postura”. Ao cimentar o nosso compromisso de tudo fazer, todos os presentes foram convidados a deixar uma marca – As mãos solidárias e comprometidas com este projeto - A Casa Mortuária. As mãos gravadas, no cimento fresco em forma de cruz transformou-se num símbolo da nossa unidade. O “Jardim da Memória” avança a bom ritmo. O projeto foi apresentado à Comunidade Intermunicipal do Tâmega e Sousa, presidida pelo nosso atual Presidente de Câmara Dr. Jorge Magalhães, a quem sugerimos uma candidatura intermunicipal para a construção de um forno crematório. Este é o nosso pensamento, este é o nosso sentimento, por isso vamos atuar em conformidade. Assim Deus nos ajude!

 

7 - A construção da zona industrial e do nó ferroviário continuam a ser uma prioridade?

O desenvolvimento da Freguesia e do Concelho é para mim uma prioridade. Por isso, não posso concordar que, no último orçamento do Dr. Jorge Magalhães e ao fim de 24 anos de gestão autárquica do nosso Presidente de Câmara, o projeto Zona Industrial de Caíde tenha desaparecido do orçamento. Espelha muito bem o esforço desenvolvido pelo nosso Presidente. Sem confiança, com irresponsabilidade e falta de visão no futuro o Dr. Jorge Magalhães ficará para a história como um perdedor em matéria de investimento gerador de emprego sustentável, em particular na zona Este do Concelho de Lousada.

Relativamente ao nó ferroviário? Partilho o pensamento de um grande ferroviário que chegou a Vereador da Câmara Municipal de Lousada na década de 40 do séc. XX, Albano Moreira da Costa: “Lousada será mais Lousada, quando amar o comboio”. Direi eu, na atualidade, que a nossa Comunidade Intermunicipal será mais, quando amar verdadeiramente o comboio. De facto o nosso Município está às escuras e sem orientação nesta matéria. Exemplo disso:

1º Falta de sinalética informativa para as duas grandes plataformas da estação de Caíde de Rei e do apeadeiro de Meinedo a partir do centro do Concelho;

2º No âmbito da revisão do Plano Diretor Municipal, a Freguesia de Caíde de Rei solicitou, na Unidade Operativa de Planeamento e Gestão 9 (UOPG9), a criação de um interface (área de estacionamento público) de utilidade pública, nas proximidades da Estação de Caíde. À semelhança do que foi aprovado para o centro do Concelho (interface intermodal) nas proximidades da rotunda do hospital. A Freguesia de Caíde reivindicou este conceito e a inclusão no PDM de uma área, no sentido de permitir multiplicar as alternativas de mobilidade de cada cliente da rede de transporte público. Na década de 40 do séc. XX, Albano Moreira da Costa, então Vereador na Câmara Municipal de Lousada foi um dos grandes impulsionadores do “Serviço Combinado” (interface intermodal). A Estação de Caíde de Rei tornou-se num pólo de convergência de elevado número de utentes para os serviços ferroviários e de forte afirmação comercial. É urgente a criação de um interface, no sentido de reduzir as distâncias a percorrer a pé, uma boa coordenação de horários, reduzindo o tempo de espera, o que poderá minimizar o problema do transbordo e o grave problema de estacionamento na Estação de Caíde de Rei e no Apeadeiro de Meinedo. O interface poderá tornar-se numa nova zona vital de espaço público. O nosso Município há muito que hibernou nesta matéria. Não dá sinal de crescer, muito menos de inovação e credibilidade na gestão da causa pública. Caíde de Rei está preparada para dar ao Concelho e à região a Força, a Alegria e a Esperança num futuro melhor.

8 – Pondera a possibilidade de se recandidatar?

A legislação para mim é clara nesta matéria. A Vontade de Servir está viva!

 

 

 

publicado por José Carlos Silva às 15:04 | link do post | comentar