Quatro coisas que você acha que sabe sobre Rui Rio (mas que a imprensa não quer, ou não pode, esclarecer)

05 Julho 2013, 10:08 por Nicolau do Vale Pais IN JORNAL DE NEGÓCIOS

 

Se reparar bem na propaganda da Internet apelando a que Rui Rio seja primeiro-ministro, verá que se apela "a uma decisão de Cavaco Silva nesse sentido". Não a eleições no PSD, muito menos a escrutínio perante o eleitorado...

 

 

Se reparar bem na propaganda da Internet apelando a que Rui Rio seja primeiro-ministro, verá que se apela "a uma decisão de Cavaco Silva nesse sentido". Não a eleições no PSD, muito menos a escrutínio perante o eleitorado... Com certeza que quem comanda essa comunicação sabe bem que, se houvesse real escrutínio, a coisa esfumava-se. Essa toada insinuante - para quem conhece a vida política do Porto - vem de há muitos anos, e, na minha opinião, até já trouxe as benesses desejadas: manter a profecia, fazer hesitar, condicionar a imprensa sobre poderes futuros, capciosamente jogar com o desejo legítimo de que pudesse haver um dia outro primeiro-ministro "do norte" e, sobretudo, aumentar a tolerância às evidentes limitações políticas de Rui Rio.

 

 

Deixo aqui uma lista de quatro sensações "inventadas" na tradução entre os gabinetes e os jornais, nunca sujeitas a contraditório, perpetuadas pelo espectáculo da informação, muitas vezes padrinho da nossa desgraça política:

- Que há "unanimidade na cidade à volta do seu Presidente". Bom, só se for na revista paga pelos munícipes ou nos sempre incontestados comunicados que o Gabinete da Presidência emite e que a imprensa nem lê antes de fazer a primeira página. Rio nunca conseguiu ganhar as eleições sem coligação com o CDS/PP e, se se somar a abstenção e votos noutros partidos, temos que 80% da cidade não vota Rui Rio. Que o cargo é excelente porque dá toda a visibilidade e nenhum escrutínio, isso está bem. Ou está mal. Quanto a ser reeleito, penso que não há em Portugal nenhum Presidente de Câmara que o não seja (o que nos levava a uma outra discussão, sobre democracia local...).

 

- Que Rui Rio "poupa com a cultura". Não poupa nada, zero. Rio transferiu os famigerados subsídios de artistas para pilotos de carros: 77 mil euros foi quanto a Câmara pagou e se viu obrigada a, envergonhadamente, admitir, só depois de pressionada pelas polémicas. Pior, estabeleceu um discurso público sobre todo um equipamento, e seu potencial, à volta de meia dúzia de revoltosos, que sabem tanto de administração pública como o próprio Rio, para mal da cidade. La Féria abalou para Portimão, onde foi explorar o espectáculo que a Câmara lhe pagou; o Rivoli está semi-devoluto, mas as eleições já estavam ganhas. O resto é falta de tino de parte a parte, e o dito "sector privado" a chular o bem público em nome da "moral". Nada que você, contribuinte, não conheça já.

 

 

Quanto ao Grande Prémio, os seus custos são um embuste. Vá a www.base.gov.pt e descubra que os 700.000 euros que Rio diz custar a coisa são uma falácia; esse valor é o valor que a Câmara adjudica. Depois, são pelo menos mais 1,5 milhões de euros adjudicados pelas Empresas Municipais, em verdadeira engenharia financeira. Junte-lhe 1,4 milhões do Turismo de Portugal, que todos pagámos e... nada de novo, com a agravante que os números do Turismo indicam um crescimento de uma clientela "low-cost", de "city break", provavelmente muito mais interessada no Património Mundial do que no "paddock" das corridas. Também já vimos o IVA do golfe ser reduzido por razões exactamente da mesma ordem demagógica. São 600.000 euros por cada dia de provas. Um verdadeiro "Euro 2004" municipal; há relatórios da Inspecção Geral de Finanças dando conta da pré-falência da Porto Lazer. Mas as Empresas Municipais estão dispensadas do Orçamento, o que se calhar até explica por que é por lá que se paga o dito evento, entre outros.

 

 

- Que as contas estão "em dia". Sim, pagou-se dívida. Ao ritmo de 9 a 10 milhões de euros por ano. Até aqui tudo bem. Depois, bom, depois não há a receita, porque não há investimento. A quebra é de... 9 milhões por ano. Ou seja, esta austeridade municipal tem o mesmo efeito que a austeridade nacional: destina-se a gerir poder, e não a gerir economia. Se assim não fosse, o Orçamento da CMP não teria caído 115 milhões em dois mandatos. Tantos quantos foram pagos... de dívida. A cidade perdeu, em dez anos, cerca de 7 munícipes por dia, 25.000 habitantes. É preciso ser-se estúpido para não perceber a questão de insustentabilidade por detrás de tal estado de coisas; não é a mandar foguetes que se resolvem estas questões.

 

 

- Que Rui Rio está a leste dos vícios da política. Bem, eu acho até cruel que se pedisse tal coisa a quem nunca fez mais nada senão política. Mas há um exemplo cujo simbolismo é inefável: o Bolhão. Rio tentou uma autêntica PPP com uma empresa - a TramCrone - com problemas gravíssimos na justiça à data do concurso que venceu. A ideia era desonerar o erário público e acabou por causar um dano incomensurável. Uma petição com tantas assinaturas quanto os votos que elegeram Rio, em 2001, parou a construção do centro comercial. O Mercado, esse, lá continua devoluto, à espera que termine o verdadeiro desperdício.

 

Convém que se esclareça que não estamos perante nenhum "conservador" do Norte, ponderado e cuidadoso. Estamos perante um neoliberal, da escola da austeridade e das privatizações a todo o custo, igual a Gaspar ou Ferreira Leite, sem pejo em usar o "glamour" da cidade em proveito próprio. Já todos achámos muita coisa, mas não é a achar que se fazem escolhas sérias, é a escrutinar. E que jeito tinha dado que o Secretário de Estado José Sócrates tivesse sido escrutinado antes de chegar a primeiro-ministro, sob a capa mediática de "grande.

publicado por José Carlos Silva às 15:18 | link do post | comentar