Fim ciclo

A sensação de fim ciclo é sempre muito curioso, subtil, desgastante e estranho. Ontem percecionei esse sentimento de estranheza, de completa orfandade e abandono.

Há bastante tempo que não pontuava uma Assembleia Municipal. Há bastante tempo que me desabituara de determinadas rotinas e de determinadas formas de vidas e olhares. Há muito tempo que me desabituara do desenho de certas coisas e de certas posturas acutilantes ou vazias de sentido.

Ontem um manto de quase silêncio povoou a Assembleia Municipal: uma tristeza infinita varreu-a, pois a iminência avassaladora de fim de ciclo, de décadas de poder a terminar, era tão impressiva, que não resisti e perante um quadro tão melodramático saí antes da mesma terminar.

Depois apreciei, já no exterior, o fim da Assembleia Municipal. A melancolia persistiu.

Num ápice tudo debandou, todos foram à sua vida. Realmente o fim de ciclo anuncia-se. É vida.

tags:
publicado por José Carlos Silva às 18:19 | link do post | comentar