Pedro Machado, começamos mal. As promessas eleitorais já foram esquecidas?!

Pista da Costilha está à venda

PSD quer que Câmara ajude a encontrar

uma solução para o Eurocircuito de Lousada

Para o PSD, é um erro que a Câmara Municipal de Lousada "lave as mãos"
do processo relativo à venda do Eurocircuito. Segundo o presidente
social-democrata, a Pista da Costilha devia a ser um "projecto-âncora"
para atrair mais pessoas ao concelho lousadense.

 

 

Recorde-se que, tal como o VERDAEIRO OLHAR

adiantou na semana passada, o local que já foi

palco de várias provas automobilísticas nacionais

e internacionais está à venda por 1,650 milhões

de euros. Mas se não aparecer um investidor

que queira manter a pista completa, os terrenos

podem ser loteados e vendidos em parcelas.

Agostinho Gaspar critica PDM's que mantiveram terrenos

como sendo de construção

Agostinho Gaspar não tem dúvidas: o Eurocircuito é dos poucos

projectos que difunde o nome de Lousada. Por isso, o presidente

do PSD/Lousada defende que "o município não pode tratar

deste processo como sendo dos outros". "O PSD há muito

que alertou o município para ter uma posição mais interactiva

com o Clube Automóvel de Lousada (CAL) no sentido de encontrar

uma solução", acrescenta.

Solução essa que poderia passar, preferencialmente, pela manutenção

da pista no mesmo local, mas também pela construção de um circuito

automóvel noutro sítio. "Mas teria de ser sempre perto

do centro da vila", alega.

Agostinho Gaspar também critica que a autarquia "tenha permitido

que os sucessivos Planos Directores Municipais mantivessem aquela

zona como de construção", não defendendo os interesses do equipamento

"que mais gente traz a Lousada". "O concelho não é conhecido

por muito mais do que o desporto automóvel. No entanto, a Câmara

tem uma visão caseira da gestão municipal", frisa.

Tal como foi avançado na última edição, a Pista da Costilha

está à venda por um preço fixado em 1,650 milhões de euros

para 50 mil metros quadrados detidos por uma sociedade

denominada Intul e que, na década de 80, comprou os terrenos.

Sociedade que prefere vender todo o complexo dedicado

ao desporto automóvel, evitando, desta forma, que a pista

seja desmantelada e possibilitando a continuidade das corridas

de autocrosse e de ralycrosse em Lousada. Mas se nenhum

investidor cumprir as condições mínimas exigidas, os sócios da Intul

prevêem encontrar outra forma de rentabilizar o investimento feito

há mais de 30 anos e que poderá passar pela divisão do terreno

em parcelas para construção de casas.

O VERDADEIRO OLHAR tentou obter uma reacção do CAL

e da Câmara Municipal de Lousada, mas até ao fecho desta

edição tal não foi possível.

publicado por José Carlos Silva às 18:33 | link do post | comentar