Qualquer evento tinha de congregar pelo menos quinhentas pessoas.

 

Honorato da Silva não queria saber de impossíveis - Nunca esquecerei, dizia Aniceto Simões num secretismo absurdo, divertia-me com aquele jogo, absurdo mas tremendamente divertido. Sabem, apreciava aquela lucidez maquiavélica do Honorato da Silva, titular político no concelho. Honorato da Silva elevava a fasquia, nunca fazendo nada por baixo. Qualquer evento tinha de congregar pelo menos quinhentas pessoas. Nunca menos. E como se reunia tanta gente! O processo era sempre o mesmo: o concelho comportava quarenta freguesias, portanto as contas eram fáceis de fazer: cada titular de cada freguesia arrebanhava pelo menos dez, dez que nunca podiam faltar. O resto era o povo político, e aí estavam os quinhentos ilustres que Honorato da Silva tinha pintado.

publicado por José Carlos Silva às 22:21 | link do post | comentar