Emancipação

 
 
 

 

Persistes correr um caminho estreito, só teu, sem empecilhos,

Sem atilhos, que arrumas todos os dias num passe de magia,

Como se fosse arte.

 

Topo-te à distância, na morte do pai que não ousas idealizar,

No jogo dúbio e no sorriso perdido na espúria tentativa

De desunir. É isto a vida: a persistente arte de ludibriar o outro,

De fingir a vida na inconstância do sonho.

publicado por José Carlos Silva às 22:20 | link do post