Como antigamente

Anoitece. A tarde dilui-se no teu olhar.

Olhas o rio. Olhas o moinho ou o que resta

Dele. Olhas a levada carcomida. Olhas os lódãos

E a água deslizando serenamente.

Como antigamente, olhas o rio do teu encantamento.

Nem pestanejas. O tempo é teu.

publicado por José Carlos Silva às 15:50 | link do post | comentar